quinta-feira, 22 de novembro de 2012

ENTREVISTA COM O LEITOR FELIPE

"Não tinha ideia da grandeza e profundidade
 do rito extraordinário da Santa Missa"

Blog: Fale um pouco sobre o senhor, prezado Felipe.

Felipe: Sou, pela graça de Deus, um jovem católico, hoje decidido pela única Igreja de Cristo e totalmente confiante na proteção e auxilio de Nossa Senhora. Nasci em 1991 e desde muito cedo me senti atraído pela vida sacerdotal, apesar de minha mãe frequentar o protestantismo. O clima em minha casa era de total indiferença para com a Igreja Católica e, até mesmo, de propensão à supertição e a leviandade. Agradeço a Deus por, apesar de estar em uma família desventurada, haver me protegido de toda uma atmosfera de aceitação de princípios, inclusive, espíritas, e de uma evidente desestrutura moral. Para se ter uma ideia só pude ser batizado aos 14 anos de idade e por iniciativa pessoal, uma vez que a fé católica não tinha valor aos olhos daqueles que conviviam comigo.

Blog: Como o senhor conheceu a Tradição?

Devoção particular do entrevistado
Felipe: Hoje sou seminarista e, durante a formação, mantive contato com um membro da SSVM a qual aprendi a respeitar por sua seriedade e dedicação. Antes eu não tinha conhecimento de toda a riqueza da Tradição. Não tinha ideia da grandeza e profundidade do rito extraordinário da Santa Missa, conhecido como de São Pio V. Desconhecia tantos pontos da doutrina hoje desprezados por padres modernistas e que incutiam em nós a heresia e o relativismo. Conhecer a Tradição através da SSVM, seus blog e boletins, abriu diante de meus olhos um universo outrora desconhecido e pelo qual quero dedicar meus esforços e minha vida.

Blog: Como o senhor analisa a situação atual da Igreja?

Felipe: Para eu responder essa questão que a meu ver poderia gerar páginas e páginas, iniciarei com uma frase belíssima de São Pio X: “Quem segue a Tradição nunca erra. Os verdadeiros católicos, são aqueles que seguem a Tradição”, disse um dia São Pio X.
São Pio X
Bem, como vimos, infelizmente, podemos classificar atualmente católicos verdadeiros e pseudo-católicos. A heresia modernista tão condenada por São Pio X foi exaltada e posta no altar que antes era de Nosso Senhor.

Hoje a “leprosidade” do relativismo corroeu de tal forma a Igreja de Cristo que já quase não sabemos como separar o joio do trigo. Muitos de nossos sacerdotes se venderam aos vícios, nossos seminários já perderam a identidade e tudo em nome de uma abertura que nunca ocorreu corretamente.

As virtudes católicas (tão exaltadas em um passado) já foram taxadas como “bregas”, nossos fieis já não possuem convicção no que creem e em quem creem. A cada dia surgem novas seitas protestantes, e novas heresias que brotam do próprio seio da Igreja, pois as pessoas começaram a achar que podem falar de seus “achismos” e apresentá-los como dogmas.

O que nos resta é rezar, e pedir a doce proteção de Maria Santíssima para que se cumpra as promessas de seu Filho: “As portas do inferno não prevalecerão”. E depositar nossa confiança em que surjam novos “cruzados” para defender, propagar e ensinar a verdade.



Maria Sempre!

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

PEREGRINOS DE CRISTO REI


Por João S. de O. Junior

Nos dias 09 e 10 de novembro, tive a oportunidade de estar na cidade do Rio de Janeiro para representar a Sociedade da Santíssima Virgem Maria (SSVM) de Montes Claros-MG na II Peregrinação Nacional ao Cristo Redentor. Embora os contratempos da chuva, o que impediu muitos peregrinos de comparecerem, foi uma experiência fantástica por todos os amigos católicos que puderam se conhecer, marchar, rezar, trocar experiências e relatos das lutas nos Apostolados, principalmente no que se refere à implantação da Santa Missa Tridentina em suas respectivas cidades.

Embora não fizesse parte do roteiro da Peregrinação, pude na sexta feira conhecer alguns locais do centro do Rio, principalmente suas belas Igrejas, ainda do tempo imperial. O que me fez perceber este lado, não divulgado, que é a religiosidade do carioca, sobretudo do brasileiro, que mesmo nestes tempos difíceis de crise, tem uma fé enraizada graças ao seu passado, tão devoto e piedoso, o que é refletido nos templos mais antigos das cidades.

Agradeço a todos os organizadores e participantes do evento que pude conhecer e ouvir pessoalmente, mas principalmente, aos voluntários do Instituto Plínio Correa de Oliveira – IPCO da sede no Rio que me acolheram calorosamente e muito atenciosamente nestes dois dias. Que a Virgem Santíssima os compensem por toda hospitalidade! 

Abaixo seguem a carta de agradecimentos da Coordenação postada no blog A vida Sacerdotal.

Início com Santa Missa Tridentina
 com pe. José Edilson de Lima  - Alto da Boa Vista


Encerramento com Benção do Santíssimo,
Mons. Sérgio Couto - Capela do Cristo Redentor.

II Peregrinação Nacional ao Cristo Redentor
DOMINGO, 11 DE NOVEMBRO DE 2012



Mesmo sob chuva e outras dificuldades que não eram esperadas pelos organizadores, a Associação Peregrinos de Cristo Rei realizou, juntamente com a Arquidiocese do Rio de Janeiro, a Administração Apostólica São João Maria Vianney, o blog Salvem a Liturgia e o Instituto Plínio Corrêa de Oliveira, a II Peregrinação Nacional ao Cristo Redentor. Jovens e casais de Recife, Betim, Belo Horizonte, São Paulo, Bom Jesus de Itabapoana e outras cidades se fizeram presentes.


Sem unirmos as forças de diversos grupos, mesmo diante das adversidades e pequenas divergências, não poderemos enfrentar as dificuldades que se nos impõem. O ano da Fé nos exige esforços de coalizão para podermos levar aos fiéis o que há de mais belo na Fé Católica: A Santa Missa! Poucos fiéis conhecem a Missa Romana na sua forma extraordinária, e é nosso dever levá-los a conhecer tal tesouro que a Igreja nos dá e que forjou tantos santos ao longo da história.

A Peregrinação iniciou-se modestamente com um twitter no ano passado, com o apoio dos blogs A VIDA SACERDOTAL, SALVEM A LITURGIA e FRATRES IN UNUM. Depois desta primeira peregrinação, tantas outras surgiram. É necessário vencermos as diferenças e mantermo-nos firmes em ânimo de coalizão.



A Associação Peregrinos de Cristo Rei agradece imensamente ao Exmo. sr. Arcebispo Dom Orani João Tempesta, aos sacerdotes Mons. Sérgio Costa Couto, Mons. José de Matos e ao Pe. José Edilson de Lima pelo apoio e direção espiritual. Ao IPCO que, mais uma vez, no silêncio dos humildes, dispôs de tempo, casa, carro e o que mais fosse necessário para que tudo transcorresse bem. Aos blogs A Vida Sacerdotal, Sentinela Católico, Salvem a Liturgia e Fratres in Unum pela divulgação e apoio.



Por fim, reiteramos nossa disposição de trabalhar sempre em coalizão, o que nos fará mais fortes, em vez de perdermos tempo discutindo qual janela é mais bela quando o que precisamos é impedir que a casa caia no precipício.



Mais uma vez, obrigado a todos!



In CHRISTO,



Henrique Cunha de Lima



Presidente da Associação Peregrinos de Cristo Rei

Link: http://www.avidasacerdotal.com/2012/11/ii-peregrinacao-nacional-ao-cristo.html



domingo, 11 de novembro de 2012

A VIRGEM DE FÁTIMA, A MAÇONARIA E O CONCÍLIO VATICANO II

Dom Manoel Pestana Filho (1928-2011)
 Prof. Pedro M. da Cruz

No dia 7 de maio de 2010, Dom Manoel Pestana Filho discursou no “The Fatima Challenge Conference”, Roma, onde fez interessantes comentários a respeito de temas da atualidade. Apresentaremos a seguir para informação de nossos leitores alguns trechos de seu discurso que têm causado muitos comentários:

Excelências, irmãos padres, religiosos e religiosas,

“Algo que me parece sempre incerto é a questão do Concílio Vaticano II. Na última sessão, da qual participei, uma comissão foi até a Irmã Lucia, em Coimbra, e eu lhe encaminhei uma pergunta por escrito. Minha pergunta foi a seguinte: o terceiro segredo de Fátima tem alguma relação com o Concílio Vaticano II? A Irmã Lucia respondeu — não a mim, mas a um padre que fora com a comissão — “não estou autorizada a responder esta pergunta”. Isso é muito interessante. [...] é um sinal de alguma reserva no terceiro segredo e esta reserva tinha alguma relação com o Concílio Vaticano II.

Estudo sobre perseguição à Igreja
Mas, como reversas com o Concílio Vaticano II? Estudei aqui em Roma, estudei Teologia, e isso me impressionava muito[...]. E uma coisa interessante para mim era entender esta razão. E nesse meio tempo, soube que o Santo Padre Pio XI desejava reabrir o Concílio do Vaticano. O Cardeal Billot o advertiu: “Santidade, me parece que isso é um perigo, porque estamos no tempo dos modernistas e esses modernistas criaram muita confusão na Igreja. Se o concílio for aberto agora, todos estarão em condição de participar, porque muitos também eram hierarcas da Igreja e creio que isso seria uma magnífica confusão entre os teólogos, sacerdotes, religiosos e até o povo, porque todas estas questões que já haviam sido esclarecidas e algumas condenadas pela Igreja desde Pio X e também um pouco por Bento XV, estas questões estariam livres para discussão e creio que não seria bom para a comunicação e para a opinião católica”. Soube que o Papa levou em consideração o que havia dito o Cardeal Billot – o Cardeal Billot foi retirado do cardinalato alguns anos depois, mas esta é outra questão – mas o Papa teria dito sim, [o Cardeal] tem razão.”

“Mas retornemos. Seria possível que Nossa Senhora tivesse dito que não era de seu gosto, que não lhe agradava uma realização do Concílio? Eu não sei, mas se pode pensar. Com isso eu não quero dizer que o Concílio Vaticano não seja legítimo… e não seja também uma benção para a Igreja.

Não sei se vocês conhecem este livro de Brunero Gherardini, Concilio Vaticano II – Un discorso da fare – publicado pelos Franciscanos da Imaculada, aquela congregação fundada pelo padre Manelli, que é interessantíssimo… terrível este livro… mas mantém uma posição muito justa, muito bem fundamentada. Ele diz que no Concílio foram ditas muitas coisas que não são boas. Um comentarista francês dizia que era necessário distinguir aquilo que foi dito no Concílio, e foram ditas tantas coisas tolas, por exemplo, quando se discutia – e com todo respeito – a maternidade divina de Maria e também Maria mãe da Igreja; um bispo mexicano, Méndez Arceo, provocou risos, muitos risos, quando disse: “isso não me agrada, pois, se Maria é mãe da Igreja, e se a Igreja é nossa mãe, Maria não será nossa mãe, mas nossa avó”. Uma piada fora de lugar, mas, em suma, tudo era possível, e era uma Excelência que falava. E outras coisas que foram ditas; evidentemente, num ambiente de discussão, pode-se dizer tanta coisa tola [...] o delito que o homem usa e abusa de dizer o que pensa. Portanto, é necessário compreendê-lo.”

“Mas é ainda mais interessante que muitos daqueles que foram condenados por Pio XII – De Lubac, De Le Blond, Danielou, Congar, etc – eram homens do dia, atuais, durante o Concílio.”

“Mas, verdadeiramente, eu soube de uma coisa interessante: um professor da Universidade Gregoriana, que fora responsável pela comissão para os textos preliminares para o Concílio – Padre Tromp – um teólogo magnífico [...] eu perguntei como ele avaliava esta situação e ele me respondeu o seguinte: o Concílio foi um concílio bastante difícil, muito difícil, tanta energia desperdiçada, mas, em suma, uma coisa que se deve dizer é que o Concílio Vaticano II, com todas estas discussões, declarações, documentos, etc, etc, é também a indicação dada por João XXIII de ser um concílio pastoral. Até hoje não se compreende bem este sentido, sentido bem profundo de concílio pastoral. Mas sabemos que não era um concílio de definições, que terminava assim: “todos que disserem o contrário sejam anátemas, etc, etc,” como era praxe. Mas era um concílio que tratava questões católicas, religiosas e mesmo questões não religiosas, mas não concluía mais como os outros concílios, com condenações, excomunhões. Não era um concílio dogmático.”

“[...] João XXIII, vocês sabem disso, se amedrontou e disse: “sim sim, faremos um Concílio pastoral” Não há Constituições Dogmáticas num Concílio Pastoral. Faremos um Concílio para discutir as questões do momento, e não as questões de sempre, e dar a resposta convencida pela prudência e sabedoria evangélica.

O estudo feito por Gherardini considera todas essas questões e diz claramente: o Concílio é uma grande graça para o mundo, e também é este concílio, tantas coisas são ditas, mas não há nenhum peso dogmático. [...] Há coisas que podemos chamar de incertas… até alguns teólogos depois do Concílio Vaticano II disseram que a linguagem da teologia de hoje é uma linguagem de incertezas, não há nenhuma certeza em suas declarações.”

Nossa Senhora de Fátima (1917)
“[...] Dentro do Concílio Vaticano II, não nas reuniões, foram feitos acordos com os representantes da Rússia para que não se falasse do comunismo, não se falasse de Rússia. Mas isso é o contrário da mensagem de Fátima. O centro da mensagem [...] era a Rússia, da qual virão grandes males para a Igreja e para o mundo. Mas fizeram um acordo. Ah sim! Porque havia bispos ortodoxos [para participar do Concílio]. E nós sabemos hoje que muitos bispos não só na Rússia, mas na Polônia e outros lugares, para não terem obstáculos da parte do governo comunista, faziam vistas grossas a certas coisas. Por exemplo: nós sabemos que este escândalo ocorreu na Polônia de um arcebispo que fora nomeado e que no momento de tomar posse da diocese ele simplesmente disse: “não, não posso tomar posse, porque encontraram um documento assinado por mim que me permitia sair da Polônia para estudar em Roma com a condição de colaborar com o governo sobre as coisas da Igreja que lhe interessavam.”. Este é o problema. [...] O arcebispo de Kiev, que era um homem que se aproximou muito de João Paulo I, na última audiência, morreu lá diante do Papa. Ele não era ninguém menos que um chefe da KGB e era arcebispo de Kiev. Coronel da KGB. [...] É um trabalho de muito tempo de infiltração na Igreja Católica [...]



Símbolo da Maçonaria
“Por outro lado, por exemplo, nós sabemos da influência da maçonaria no último Concílio não foi pouca, porque o próprio Monsenhor encarregado da liturgia – Bugnini – tinha escrito uma carta ao chefe da maçonaria italiana, dizendo que pela liturgia havia feito tudo que era possível; tudo aquilo, segundo recebeu instruções, mais não poderia ser feito. [...] Um padre polonês que encontrou este ofício o levou imediatamente a Paulo VI, que o mandou para fora de Roma, na nunciatura no Irã. Até Monsenhor Benelli, que era o braço direito do Papa, também foi retirado de Roma e estranhamente ambos morreram pouco depois em circunstâncias misteriosas. Dizíamos que era uma queima de arquivo. Entendem, não?”

“Creio que poderia dizer – digo como uma palavra minha — e suspeitar que o Concílio Vaticano II está relacionado [...] com o terceiro segredo de Fátima [...]”


Maria Santíssima, rogai por nós!


Os que quiserem ler o discurso publicado na íntegra poderão consultar o seguinte link: http://fratresinunum.com/2010/05/24/roma-discurso-de-dom-manoel-pestana-filho-bispo-emerito-de-anapolis-em-conferencia-sobre-fatima/

sábado, 3 de novembro de 2012

Boletins Pugna - Santa Missa - Tão sublime!!! Tão desprezada!!!


É lamentável que alguns (não poucos) católicos desconheçam a divina excelência do Santo Sacrifício. Todavia, um Boletim é muito pouco para tratarmos de mistério tão sublime como esse. Ousaremos, contudo, nos limitar, nesta edição, à explicação incipiente de sua natureza (ou sobrenatureza), lançando mão de citações sobre o assunto e ressaltando as graças inestimáveis que podemos nutrir com a sua reverência. Então, o que é a Santa Missa?


Antes, digamos o que ela não é ou não deveria ser:

1 - A Santa Missa não é um “show”. O padre, no momento da celebração, não é um “astro”, apresentador de TV, cantor, ator ou palhaço de circo. A propósito, durante a Consagração, o sacerdote, independente de quem ele seja, atua “in persona Christi Capitis”, isto é, representando a pessoa do Cristo (1). Ali, o presbitério não deve ser usado como palco, palanque ou picadeiro. Afinal, “o altar representa o Corpo de Cristo, e o Corpo de Cristo está sobre o altar” (2).

2- Não é um mero “encontro fraterno”, como “teólogos” modernistas ensinam. Se o fosse, qualquer encontro de boteco entre amigos poderia ser considerado “Missa”.

3 - Não é “Grupo de Oração”. O que deve ser lembrado a alguns iniciantes (ou mesmo veteranos) da RCC.


4- Não é um “culto” (protestantes ou de paróquias – mera celebração da Palavra). E, de fato, corrigindo a muitos pa-roquianos do Brasil afora, uma “Celebração da Palavra” não é e nem se equivale à Santa Missa. Não mesmo!

5 - Não é um “ritual de candomblé”, baile de dança, festival de coreografia ou qualquer coisa sincrética e sacrílega que, infelizmente vemos acontecer pelo Brasil devido, muitas vezes, à omissão das autoridades eclesiásticas.

Então, o que é a Santa Missa?
(...)

Continue lendo aqui.



Prezados leitores, estamos divulgando e disponibilizando os boletins Pugna que a Sociedade da Santíssima Virgem - SSVM publica para conhecimento, defesa e propagação da fé. Visualise nossos boletins já publicados na pagina própria, cabeçalho superior deste blog, Boletins Pugna. Façamos apostolado, por amor a Cristo e sua Igreja!

Virgem Santíssima, rogai por nós!