sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

II ENCONTRO FORMATIVO DA SSVM

Foto com alguns participantes do Encontro
Postado por Editores do Blog

Aconteceu nos dias trinta e trinta e um de Janeiro (sábado e domingo) um encontro formativo para membros e amigos da SOCIEDADE DA SANTÍSSIMA VIRGEM MARIA, na chácara São Bento, no bairro Planalto (Montes Claros-MG), gentilmente cedida pela Irmã Maria Luiza.

No sábado a tarde, após a recitação do Santo Terço, iniciaram-se as conferências com tema central: A VISÃO PANORÂMICA SOBRE AS BASES DA CRISE E PROCESSO DE DECADÊNCIA DO PENSAMENTO. 

Os presentes participaram ativamente das conferências

No domingo, pela manhã, após um breve café, as atividades foram reiniciadas com o Santo Terço. O restante das horas foi dedicado ao desenvolvimento do tema. Por se tratar de um assunto tão amplo e atual, os presentes assistiram ativamente as conferências demonstrando interesse em aprofundar nos assuntos apresentados.



As conferências eram alternadas com coffe-breaks, permitindo agradável convivência e diálogos vinculados ao tema desenvolvido. No fim das palestras foi proposto aos participantes retomarem um saudável hábito de todo bom católico, que é o de fazer a adoração à Jesus Eucarístico todos os dias. 

As conferências eram alternadas com coffe-breaks
Todos saíram do encontro com intuito de buscar desenvolver maior conhecimento e consequentemente ter uma maior prática de vida cristã. Louvemos a Nosso Senhor Jesus Cristo por tantos jovens preocupados com as coisas de Deus e ardorosos em sua devoção à Santíssima Virgem Maria.


MARIA SEMPRE!


segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

BLAISE PASCAL - "O AMOR PRÓPRIO"


"(...) não fazemos outra coisa senão nos enganarmos e adularmos mutuamente."

Postado por editores do Blog

Blaise Pascal (1623-1662)
Segue abaixo uma reflexão feita por Blaise Pascal (1623-1662) a respeito do homem na sociedade. Filósofo, físico, matemático, moralista e teólogo, este pensador francês, infelizmente, morreu defendendo a heresia jansenista que tanto mal causou a inúmeros cristãos ignorantes. Em sua obra podemos perceber muitas vezes o rigor exagerado, e forte pessimismo que marcava os fautores deste erro doutrinal. Os jansenistas chegavam a pregar o absurdo da predestinação. Entretanto, não podemos negar a beleza, profundidade e acerto de muitas observações feitas por Pascal a respeito das interações humanas. 


†††



"A natureza do amor-próprio e desse eu humano é não amar senão a si e não considerar senão a si. A que pode levar? Não impedira que esse objeto que ama não esteja cheio de defeitos e misérias: quer ser grande e se vê pequeno; quer ser feliz e se vê miserável; quer ser perfeito e se vê cheio de imperfeições; quer ser o objeto do amor e da estima dos homens, e vê que seus defeitos só merecem deles aversão e desprezo. Esse embaraço em que se acha produz nele a mais injusta e criminosa paixão que se possa imaginar; pois concebe um ódio mortal contra essa verdade que o repreende e o convence de seus defeitos. Desejaria aniquilar essa verdade, e, não podendo destruí-la em si mesmo, ele a destrói, tanto quanto pode, em seu conhecimento e no dos outros; isto é, põe todo o seu cuidado em encobrir os próprios defeitos a si mesmo e aos outros, e não pode suportar que o façam vê-los, nem que os vejam.

É sem dúvida um mal ter tantos defeitos; mas é ainda um mal maior estar cheio deles e não querer reconhecê-los, pois é ajuntar-lhes ainda o de uma ilusão voluntária. Não queremos que os outros nos enganem; não achamos justo que queiram ser estimados por nós mais do que merecem; não é, portanto, justo também que nós os enganemos e queiramos que nos estimem mais do que merecemos.

"É sem dúvida um mal ter tantos defeitos; mas é ainda
 um mal maior estar cheio deles e não querer reconhecê-los(...)"
Assim, quando só descobrem em nós imperfeições e vícios, que na realidade temos, é claro que não cometem uma ofensa, pois não são eles os causadores, e nos fazem um benefício, pois nos ajudam a nos livrarmos desse mal que é a ignorância das imperfeições. Não nos devemos zangar pelo fato de eles as conhecerem e de nos desprezarem, pois é justo que nos conheçam pelo que somos, e que nos desprezem se somos desprezíveis. Tais seriam os sentimentos naturais em um coração cheio de equidade e de justiça. Que devemos dizer do nosso, vendo nele uma disposição tão contrária? Pois não é verdadeiro que odiamos a verdade e aqueles que no-la dizem, e que gostamos que se enganem a nosso favor, e que desejamos que nos tomem por outro que não somos na realidade?

A religião católica não nos obriga a revelar nossos pecados indiferentemente a todo mundo: permite que os ocultemos de todos os outros homens; mas excetua alguém ao qual ordena que abramos o fundo do coração, e que o mostremos tal qual é.

Somente a esse único homem, no mundo, ela nos ordena confessar, mas obriga a um segredo inviolável, que faz com que o seu conhecimento de nossos pecados permaneça nele como se não existisse.

Será possível imaginar algo mais caritativo e mais suave? E, contudo, é tal a corrupção do homem que acha ainda dureza nessa lei; e foi uma das principais razões que fizeram grande parte da Europa se revoltar contra a Igreja. Tão injusto e desarrazoado é o coração do homem que lhe parece um mal ser obrigado a fazer, em relação a um só homem, o que seria justo, de certa maneira, que fizesse em relação a todos os homens! Pois será justo os enganarmos?

"Ninguém fala de nós em nossa presença
 como se fala em nossa ausência."
Há diferentes graus nessa aversão à verdade; mas pode se dizer que até certo ponto ela existe em todos, porque é inseparável do amor próprio. Assim essa falsa delicadeza que obriga os que estão na necessidade de repreender os outros a escolherem tantos rodeios e manejos para não ferí-los. Precisam diminuir os nossos defeitos, fingir desculpá-los, misturar louvores e testemunhos de afeição e de estima. E, mesmo assim, essa medicina não deixa de ser amarga ao amor próprio. Tomamos dela o menos que podemos, e sempre com desgosto, e muitas vezes com secreto despeito contra os que no-la oferecem. Por isso acontece que, quando alguém tem interesse, em ser amado por nós, foge de prestar-nos um serviço que sabe ser-nos desagradável; trata-nos como desejamos ser tratados: odiamos a verdade, a verdade nos é ocultada; desejamos ser adulados, adula-nos; gostamos de ser enganados, engana-nos. Donde, ao mesmo tempo que nos eleva no mundo da sorte, os afasta da verdade, pois teme-se mais ferir aquele cuja afeição é mais útil e cuja aversão é mais perigosa.

Um príncipe pode tornar-se o divertimento de toda a Europa, e ser o único a ignorá-lo. Não me admira: a verdade é útil àquele a quem é dita, mas desvantajosa para os que a dizem, porque se tornam odiosos. Ora, os que vivem com os príncipes preferem os seus interesses aos do príncipe que servem; e por isso não se preocupam em lhe proporcionar uma vantagem prejudicando-se a si mesmos. Essa infelicidade é sem dúvida maior e mais comum nas fortunas mais avantajadas; mas as menores não estão isentas dela, porque há sempre algum interesse em se tornar amável. Assim a vida humana nada mais é que uma perpétua ilusão; não fazemos outra coisa senão nos enganarmos e adularmos mutuamente. Ninguém fala de nós em nossa presença como se fala em nossa ausência. A união existente entre os homens assenta apenas nesse mútuo engano; e poucas amizades subsistiriam se todos soubessem o que dizem deles os amigos quando não estão presentes; mesmo quando falam com sinceridade e sem paixões.

O homem não passa, pois, de disfarce, mentira e hipocrisia, tanto ante si próprio como em relação aos outros. Não quer que lhe digam verdades e evita dizê-las aos outros (...)"


MARIA SEMPRE!


Fonte: MAURIAC, François. O pensamento vivo de Pascal. São Paulo: Martins, 1941; p.109-112.

domingo, 17 de janeiro de 2016

A PERVERSÃO DA LINGUAGEM - final


O apelo à "liberdade" pode jorrar simultaneamente dos corações dos maiores santos e dos maiores celerados.











Por Henri Delassus

Entre as palavras hoje em voga, nenhuma há da qual se faça um uso mais freqüente e pernicioso do que "liberdade". Ela tem duas faces, concomitantemente cristã e maçônica. 

Papa Leão XIII (1810-1903)
"A liberdade_ diz Leão XIII_ é um bem, bem excelente, apanágio exclusivos dos seres dotados de inteligência e de razão". A inteligência dá-lhes o conhecimento de seus fins, a razão faz com que descubram os meios de alcançá-los, e o livre arbítrio permite-lhes escolher dentre os meios aqueles que lhes convêm e de empregá-los para atingir o objetivo a que se propuseram. Se todos os homens vissem e colocassem seu fim último lá onde ele está, e reclamassem liberdade para isso, todos ouviriam pedir que o caminho em direção ao Soberano Bem fosse largamente aberto, não fosse obstruído por nenhuma dificuldade imprevista e que eles próprios não fossem entravados na sua ascensão em direção a Deus. Mas quem não sabe que os fins aos que os homens se propõem são numerosos, tão diversos quanto diversos são os objetos de suas paixões! De maneira que o apelo à "liberdade" pode jorrar simultaneamente dos corações dos maiores santos e dos maiores celerados, e que, pedindo-a com uma mesma voz, parecem desejar uma mesma coisa. Na realidade, eles querem coisas tão diversas e mesmo tão opostas quanto são opostos, de uma parte, os infinitos degraus que conduzem o homem à mais alta virtude, e de outra parte, os degraus não menos numerosos que os fazem descer até à pior corrupção.

Ao grito de "liberdade", o filho indócil, o servidor orgulhoso sentem crescer em seu coração o desejo de independência relativamente aos pais e aos mestres: os esposos infiéis vêem luzir o dia em que o liame conjugal será dissolvido; a pessoa ruim aspira a um estado político e social no qual a coerção do mal não mais existirá. Esse grito une todas as rebeliões, excita todas as cobiças. O próprio cristão, a esse grito, sente tornar-se mais pesado o jugo do Senhor, porque a concupiscência original não está extinta no coração de ninguém, e todo homem é mais ou menos amigo, no seu fundo mau, da liberdade perniciosa. Para todos o grito de "liberdade" tem uma atração doentia, atração que o pai da mentira pôs na origem de todas as coisas na sua primeira tentação: Dii eritis! sereis como deuses, sereis vossos próprios senhores, não dependereis mais de ninguém. E como não existe independência em nenhum lugar, este grito torna-se, em toda parte, um apelo à revolta, revolta dos inferiores contra a autoridade, dos pobres contra a propriedade, dos esposos contra o casamento, dos homens contra o Decálogo, da natureza humana contra Deus.

Assim, entre as palavras em voga, nenhuma há da qual se tenha feito uso mais pernicioso e mais freqüente do que da palavra "liberdade". Ela serve para as multidões exigirem, os reis consagrarem, as instituições fixarem em si os mais poderosos dissolventes da ordem social. É a liberdade de consciência, ou da independência de cada um relativamente a Deus; é a liberdade dos cultos, a separação entre a Igreja e o Estado, a neutralidade e a laicização, coisas essas todas que quebram os laços que ligam o homem e a sociedade a Nosso Senhor Jesus Cristo e à Sua Igreja; é a soberania do povo, quer dizer, a independência das multidões relativamente às autoridades sociais e civis; é o divórcio de certas disposições do Código Civil, que colocam a anarquia na família. Enfim, para levar avante todas essas revoltas, para obter todas essas independências, a liberdade da imprensa que trabalha todos os dias para corromper nos espíritos a noção da verdadeira liberdade e para insinuar nos corações o amor e o desejo das más liberdades.

Se os católicos juntassem suas vozes à de todos os revoltados para reivindicarem, eles também, pura e simplesmente a liberdade, e não tal ou qual liberdade definida, e, antes de todas as outras, a liberdade de as almas de não serem entravadas em sua caminhada em direção a Deus, eles dariam a impressão de reivindicarem a mesma coisa que os revolucionários, e eles os ajudariam a obtê-la. E é isto que vemos com muita freqüência.

Rejeitar altaneiramente a língua desleal.
Em nome do Progresso, em nome da Civilização, do Direito novo, a seita faz reivindicar através dos seus jornais, através das associações que ela inspira, através daquelas em que ela têm afiliados, a abolição de tal ou qual instituição, ou o estabelecimento de tal outra. Quem ousaria opor-se ao progresso, à civilização? Com medo de parecerem retrógrados, católicos, no parlamento, nos conselhos departamentais ou comunais, votam medidas contrárias à sua própria maneira de ser e de pensar, medidas que, ao tiranizarem seus irmãos, tiranizam a eles próprios. 

Numa de suas visões, o apóstolo São João viu todos os povos seguirem estupefatos a Besta, à qual o Dragão dera seu poder e seu trono. Ela abriu uma boca da qual saíam palavras que pareciam significar grandes coisas: Datum est ei os loquens magna. Na realidade, eram blasfêmias contra Deus, contra Seu tabernáculo e contra aqueles que habitam o céu da Igreja: Blasphemias ad Deum, et tabernaculum ejus et eos qui in Cœlo habitant.(10)

Acabamos de ouvir essas palavras grandiloqüentes e conhecemos a estranha sedução que exercem sobre as multidões. Elas verdadeiramente constituem, no significado que lhes é dado pela Besta, blasfêmias que levam a morte às almas, que sabotam os fundamentos da sociedade civil e da sociedade religiosa, e que querem aniquilar o Reino de Deus sobre as criaturas.

O cúmulo da astúcia desenvolvida pela Besta e pelo Dragão — quer dizer, pela Maçonaria e por Satã — seu triunfo, constitui em fazer crer e em fazer dizer que essas palavras foram tomadas do Evangelho e que, por intermédio delas, eles querem trazer o reino de Nosso Senhor Jesus Cristo para a sociedade!

"O que existe de mais funesto para os povos, após a Revolução_ disse Saint Bonnet_ é a língua que a criou. O que existe de mais temível após os revolucionários são os homens que empregam essa língua, cujas palavras são outras tantas sementes para a Revolução... Não lancemos mais às multidões termos cujo sentido teológico e verdadeiro não lhes seja explicado. Eles não cessam de engendrar as idéias que mantêm as massas em ebulição e as arrancam ao dever da vida..."

Rejeitar altaneiramente a língua desleal, eis daqui para a frente no que se reconhecerá o homem piedoso.

"Ó França! tu saberás que virão a ti homens piedosos quando pararem de te adular e de empregarem equívocos."(11)

Charles de Ribbes também disse: "Somente a verdade reerguerá a França, e para que essa verdade produza seu efeito regenerador a nobre língua francesa deverá, também ela, ser restaurada."(12)



Notas e Referências do autor: 
10-  Apocalipse, XII, 1-6. 
11-  La Légimité, pp. 281-284. 
12-  Le Play, extraído de sua Correspondência, p. 191.

**********************************************
Fonte: Livro A Conjuração Anticristã - Tomo II, Cap. XXXV - A perversão das Idéias; por Monsenhor Henri Delassus. 
IMPRIMATUR Cameraci, die 12 Novembris 1910. A. MASSART, vic. gen. Domus Pontificiae Antistes. 
Disponível emhttp://www.salverainha.com.br/downloads/Monsenhor_HENRI_DELASSUS-II.pd

segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

A PERVERSÃO DA LINGUAGEM - parte II


Pelas palavras insinuam as idéias, e as idéias
preparam o caminho para os fatos.


Por Monsenhor Henri Delassus.

Todas essas fórmulas pérfidas foram criadas há dois séculos. Sob o reino do filosofismo, foi "tolerância" e "superstição" que passaram de boca em boca; sob o do Terror, foi "fanatismo" e "razão"; sob a Restauração, "ancien régime", "dízimo", "privilégios"; sob o Segundo Império, "progresso"; por ocasião da recente perseguição na Alemanha, "Kulturkampf"; na França, em 16 de maio, "governo dos párocos". Hoje, o que está mais em voga, juntamente com "clericalismo",6 "ciência", "democracia" e "solidariedade": a ciência contra a fé, a democracia contra toda hierarquia religiosa, social e familiar; a solidariedade dos plebeus contra todos os que opõem obstáculo ao livro gozo dos bens deste mundo, os ricos que os possuem e os padres que proíbem a injusta cobiça; solidariedade também entre todos os povos que, de uma extremidade à outra do mundo, se devem auxiliar mutuamente para quebrar o jugo da propriedade, da autoridade e da religião. 



Graças à confusão das idéias, reina atualmente, 

a mais deplorável divergência de pontos de vista, 

a mais perfeita anarquia intelectual.

Acima de todas essas palavras reina há um século a divisa: "Liberdade, igualdade, fraternidade". A seita faz com que ressoe por toda a parte, conseguiu inscrevê-la nos edifícios públicos, nas moedas, em todos os atos da autoridade legislativa e civil. "Essa fórmula_ diz o I Malapert num de seus discursos às lojas_7 foi fixada por volta da metade do último século (XVIII) por Saint Martin (fundador do iluminismo francês). Todas as oficinas a aceitaram e os grandes homens da revolução fizeram dela a divisa da república francesa". "Liberdade, igualdade, fraternidade_ essas três palavras dispostas nessa ordem, diz ainda o I Malapert_ indicam o que deve ser uma sociedade bem regrada", coisa que ela será quando o contrato social tiver chegado a suas últimas conseqüências, tiver dado seus últimos frutos. Weishaupt e os seus disseram abertamente o que pretendiam tirar dessa fórmula: primeiro a abolição da religião e de toda autoridade civil; depois a abolição de toda hierarquia social e de toda propriedade.


Todas as idéias estão confusas
Eis o que essas três grandes palavras dizem aos iniciados, eis o que eles têm no pensamento, eis onde eles querem nos fazer chegar. Eles fizeram com que as palavras fossem adotadas; pelas palavras insinuam as idéias, e as idéias preparam o caminho para os fatos. Não devemos pois nos espantar se, por ocasião da admissão nas lojas, os postulantes ao carbonarismo devem dizer, no juramento que são obrigados a prestar: "Juro empregar todos os momentos de minha existência em fazer triunfar os princípios de liberdade, de igualdade, de ódio à tirania, que constituem a alma de todas as ações secretas e públicas da Carbonara. Prometo propagar o amor à igualdade em todas as almas sobre as quais me for possível exercer alguma ascendência. Prometo, se não for possível restabelecer o reino da liberdade sem combate, fazê-lo até à morte"8.Eis o dever bem marcado, e bem traçadas as etapas para realizá-lo inteiramente: espalhar as palavras, propagar as idéias, fazer a coisa triunfar, pacificamente, se for possível, se não por uma guerra de morte. 

Não é somente entre as classes degradadas, ignorantes ou sofredoras que essa fraseologia exerce suas devastações. Ela causa igualmente vertigem nas classes superiores da sociedade, fato que a seita considera bem mais vantajoso para a finalidade pretendida. Graças à confusão das idéias introduzidas por ela nos espíritos, reina atualmente nas classes que são chamadas por sua posição a dirigir a sociedade, a mais deplorável divergência de pontos de vista, a mais perfeita anarquia intelectual. 

Voltamos à confusão de Babel; todas as idéias estão confusas e, nessa confusão, numerosos cristãos são arrastados mais facilmente do mundo para o sulco dos erros maçônicos. As pessoas não desconfiam dessas correntes, abandonam-se às suas ondas com placidez, e isto porque a maior parte das palavras que para aí as arrastam podem servir para exprimir idéias cristãs, assim como se prestam a exprimir as idéias mais opostas ao espírito do cristianismo. Le Play deixou-nos sua observação a esse respeito. "Nenhuma fórmula composta de palavras definidas conseguiria satisfazer simultaneamente aqueles que creem em Deus e aqueles que consideram essa crença como o princípio de todas as degradações. Mas aquilo que não pode ser obtido por um arranjo de palavras torna-se fácil com palavras que comportam, segundo a disposição de espírito dos que as leem ou ouvem, sentidos absolutamente opostos"9. 

Veja a parte I                                                                                                          veja o final

Notas e Referências do autor: 

6- O "governo dos párocos" serviu para fazer passar a lista de Gambetta e para constituir o governo dos franco-maçons. O medo do "clericalismo" faz fechar os olhos às piores tiranias. Com medo de serem acusados de favorecer esse monstro, os católicos proibem-se de ser clericais. Por ocasião da aprovação do nome de Gayraud, Lemire disse da tribuna: "Meu colega e eu não somos clericais". No dia 27 de novembro de 1899, a mesma coisa: "Permitir-me-ei observar que nem o abade Gayraud, nem o abade Lemire são aqui deputados do catolicismo. Não aceitei no passado e não aceitarei no futuro que a Câmara seja transformada num lugar de discussões teológicas ou filosóficas" (Diário Oficial de 28 de novembro de 1899)

7- Chaîne d’Union, 1874, p. 85. 

8- Saint-Edme, Constitution et Organisation des Carbonari, p. 110. 

9- L’Organisation du Travail, p. 355. 

**********************************************

Fonte: Livro A Conjuração Anticristã - Tomo II, Cap. XXXV - A perversão das Idéias; por Monsenhor Henri Delassus. IMPRIMATUR Cameraci, die 12 Novembris 1910. A. MASSART, vic. gen. Domus Pontificiae Antistes.


Disponível em: http://www.salverainha.com.br/downloads/Monsenhor_HENRI_DELASSUS-II.pd