segunda-feira, 2 de outubro de 2017

O MINISTÉRIO DOS ANJOS DA GUARDA

Ministério exercido pelos Santos Anjos da Guarda
"Se pudéssemos não apenas crer, mas viver a realidade da permanente assistência de nosso Anjo da Guarda, como nossa posição diante da vida e dos acontecimentos iria mudar! Não haveria temores, insegurança, fobias e depressões psicológicas.

Consideremos os principais efeitos dessa atuação admirável do Anjo da Guarda em nossa vida, resumindo as condições da questão CXIII da Suma Teológica.

1. – Os homens são custodiados pelo Anjos. Isto porque, como o conhecimento e as aflições dos homens podem variar muito, vindo a desencaminhá-los do bem, foi necessário que Deus destinasse Anjos para aguarda dos homens, de modo que , por eles, fossem os homens orientados, aconselhados e movidos para o bem.

Pelo afeto ao pecado, os homens se afastam do instinto do bem natural e do cumprimento dos preceitos da lei positiva e podem também desobedecer às inspirações que os Anjos bons lhes dão invisivelmente, iluminando-os para que pratiquem o bem. Por isso, se um homem vem a perder-se, isso se deve atribuir à malícia do homem e não à negligência ou incapacidade do Anjo da Guarda.

2. – A cada homem custodiado, corresponde um Anjo Custódio distinto. Cada Anjo tem sob sua responsabilidade uma alma que lhe compete procurar salvar.

3. – O Anjo da Guarda livra constantemente seu protegido de inumeráveis males e perigos tanto da alma quanto do corpo, dos quais o homem não se dá conta. Vimos como Jacob se dirigiu a José (Gen 48,10).

4. – O Anjo da guarda impede que o demônio nos faça o mal que desejaria fazer-nos. Lembremo-nos da História de Tobias.

5. – O Anjo da Guarda suscita continuamente em nossas almas pensamentos santos e conselhos saudáveis (conforme se lê em Gen 16,18; At. 5, 8,10).

6. – O Anjo da Guarda leva a Deus nossas orações e pedidos, não porque Deus, omnisciente, necessite disso para conhecê-los, mas para que as ouça benignamente. Implora por iniciativa própria os auxílios divinos de que iremos necessitar, sem que disso nos demos conta e sem que, muitas vezes venhamos a saber que recebemos esses auxílios (Ver Tobias. 3 e 12; Atos c. 10).

7. – O Anjo da Guarda ilumina nosso entendimento, proporcionando-nos as verdades, de um modo mais fácil e compreensível, mediante o influxo que pode exercer em nossos sentidos interiores.

8. – O Anjo da Guarda nos assistirá particularmente na hora da morte quando mais dele iremos necessitar.

9. – Os Anjos da Guarda, segundo opinião piedosa de grandes teólogos, acompanham as almas de seus protegidos ao Purgatório e ao Céu depois da morte, como acompanhavam as almas dos antigos patriarcas ao 'seio de Abraão', expressão que simboliza a união com o Pai. De fato, a Igreja apoiando e confirmando essa crença, na cerimônia da encomendação da alma a Deus, ao descer o corpo à sepultura, como última oração, reza: _ 'Ide a seu encontro Anjos do Senhor; recebei sua alma conduzi-a à presença do Altíssimo...; que os Anjos te conduzam ao seio de Abraão'.

10. – O Anjo da Guarda, ainda segundo a opinião de muitos teólogos, atendem às orações dirigida pelos fiéis à alma de seu custodiado quando esta se encontra no Purgatório, 'em estado não de socorrer, mas de ser socorrida (2-2 Q. 83 a. 11. Ad 3). Por isso, as súplicas dirigidas às almas do Purgatório são das mais eficazes pois são impetradas pelo Anjo da Guarda da alma a quem se recorre'.

11. – O Anjo da Guarda acompanhará eternamente no céu a seu custodiado que alcançou a salvação, 'não mais para protegê-lo, mas para reinar com ele' (1. Q.113 a.4) e 'para exercer sobre ele algum ministério de iluminação' (1 Q. 108, a7. ad 3).

12. – O Anjo da Guarda não pode livrar-nos das penas e cruzes desta vida, quando Deus em sua infinita Bondade no-las tiver mandado ou permitido, para nossa provação, santificação e purificação. Mas nos ajudará a suportar pacientemente, resignadamente e até mesmo alegremente as provações, encaradas como nossa modesta participação de solidariedade no Mistério da Redenção da humanidade, o qual se realizou plenamente no Sacrifício do Calvário, com a morte de Jesus.

13. – O Anjo da Guarda nos protege contra a malícia humana, a injustiça, a hipocrisia, a falsidade, a mentira, a injustiça e os ciúmes daqueles que nos querem prejudicar. Sua veneração e invocação sempre nos hão de valer.

(...) Além do Anjo da Guarda que Deus destinou a cada um de nós, vários dentre os Padres da Igreja e grandes santos, baseados em trechos das Sagradas Escrituras, admitem que haja também, Anjos da Guarda para cada templo, cada comunidade, cada povo, cada nação. Esse Anjo a protege, inspira seus dirigentes e estimula seu aperfeiçoamento. Lembremo-nos a propósito, da aparição aos três pastorzinhos de Fátima do personagem que se identificou como o 'Anjo da Paz' e depois explicitou – 'Eu sou o Anjo da Guarda, o Anjo de Portugal'.

São Francisco Xavier, o apóstolo jesuíta do Japão, não teve dúvidas em recomendar seu apostolado aos Anjos da Guarda do Japão:

- 'Nada espero de mim mesmo, pois coloquei toda minha confiança em Jesus Cristo, na Santíssima Virgem e nos nove coros de Anjos, dentre os quais escolhi como protetor o Príncipe e Paladino da Igreja Militante, São Miguel. E eu tenho toda a esperança neste Arcanjo a quem foi confiada a proteção especial do grande reino do Japão. Eu me dirijo diariamente a ele e a todos os Anjos da Guarda do Japão.'

Escreveu G. Huber em seu livro 'Mon Ange marchera devante toi'

- 'Nada lucraria o mundo moderno agindo como se a energia nuclear fosse um mito ou fosse uma ideia fixa de alguns fanáticos; pelo contrário, teria muito a perder. Assim também, muito tem a perder o cristão quando procede como se não fosse assistido em todos os seus caminhos por seres invisíveis amigos, mandados por Deus'

Escreve Afonso de Santa Cruz no livro 'Alguém está do meu lado', referindo-se ao pacto de amizade que convém façamos com nosso Anjo da Guarda:

- 'Após a promessa a teu Anjo, encontrarás a mesma casa e família, os mesmos amigos e colegas, as mesmas dificuldades e lutas, as mesmas alegrias e tristezas; enfim, nada mudará. Nada mesmo?... tu.'

Prossegue o mesmo autor:

- 'As coisas não mudam, mas nós é que passamos a dar-lhes outro sentido. Muda o nosso olhar. O Anjo mudará tudo em ti pelo simples fato de estar do teu lado. Não estarás mais só... já é uma mudança total em tua personalidade. Ele será testemunha sempre e de tudo. Tudo é realizado à luz do Anjo, na sua presença. Com o tempo, surgirão surpresas de belos pensamentos, contatos de luzes interiores e uma alegria do outro mundo. Até as relações humanas se projetarão na luz dos Anjos, daqueles, com os quais te comunicares.'

No dia 3 de outubro de 1958, o Papa Pio XII, poucos dias antes de seu falecimento, pronunciou uma alocução, da qual vale a pena ler o trecho abaixo:

- 'Ontem festejamos o dia dos Santos Anjos. Não disse Cristo, referindo-se ás crianças, sempre tão caras ao seu coração amoroso – ‘Seus Anjos contemplam sem cessar a face de meu Pai que está no Céu’?

E quando crescidas e adultas seus Anjos haveriam de abandoná-las? Sem dúvida que não! Ninguém é tão pequeno e tão insignificante que não tivesse Anjos para a sua proteção. Eles vos vigiam e guardam para que não vos afasteis de Cristo vosso Senhor (...). Nós queremos avivar vossos sentimentos de vivência fraterna e amiga para com os Anjos. Eles são sempre perseverantes em seu zelo por vossa salvação e santificação. Durante toda a eternidade – que Deus vo-la conceda – estareis unidos com eles em santa alegria. Começai já agora a conhecê-los!'

Este foi o conselho do Papa.

Qual será nossa resposta?..."

Fonte: MACINTYRE, Archibald Joseph. Os anjos, uma realidade admirável. 1986. Pg. 323-326.

MARIA SEMPRE!

Um comentário:

Sara disse...

Artigo interessante, eu acredito nos anjos.